Superando Desafios de Sucessão em Empresas Familiares com Governança Eficaz

Das “vendinhas” de bairro às grandes corporações, as empresas familiares são parte importante da nossa cultura, impactando significativamente a economia nacional: atualmente, elas são responsáveis por 65% do PIB gerado por aqui. 

Entre ideias ambiciosas à mesa de jantar, projetos para o sustento da família e até acordos firmados entre parentes determinados a mudar de vida, muitas podem ser as razões para o start de um negócio familiar. Mas, para além dessas particularidades, todas essas empresas possuem uma grande preocupação em comum: garantir sua longevidade pelas gerações.

Ainda mais importante que criar um negócio de sucesso é mantê-lo, garantindo uma boa base para o desempenho no presente, mas projetando novas possibilidades de legado para o futuro. E a questão da sucessão tem um papel fundamental neste processo. 

Neste ponto, nos deparamos com um cenário de grandes desafios que as empresas familiares enfrentam: segundo a revista Exame, um estudo do Banco Mundial revelou que 30% das empresas familiares chegam à 3ª geração e apenas metade disso, ou seja, 15%, sobrevivem a ela.

Família família, negócios à parte?

Certamente que ter uma sucessão saudável e buscar por um sistema longevo é uma preocupação em todas as empresas, mas tratando de negócios familiares, podemos afirmar que este é um tópico ainda mais sensível, já que toda a situação envolve questões que ultrapassam o profissionalismo e alcançam o campo do pessoal e particular. 

Entre as principais motivações para essas dificuldades na questão da sucessão em empresas familiares estão a resistência à mudança, falta de preparação dos sucessores, conflitos familiares e divergências entre visão de longo prazo e interesses individuais.

  • Resistência à mudança

Misturar família e negócios pode trazer uma percepção ilusória de que o trabalho desempenhado será fácil, confortável e sem desafios. Isso cria uma zona de conforto perigosa e que pode colocar em risco o futuro do negócio, já que acompanhar as mudanças do mercado significa se transformar junto com ele, explorando as novas tendências, metodologias e ferramentas que vão surgindo. 

Quando o fundador ou membros do conselho atual se recusam a acompanhar esta dinâmica, podem comprometer o desempenho do negócio, assim como o seu futuro. É importante lembrar que isso não significa abrir mão das tradições ou mudar a essência do negócio, apenas adaptar a forma de trabalho para os novos públicos consumidores.  

  • Falta de preparação dos sucessores

Além de casos onde não há um processo apropriado de transição da gestão, também é comum observar cenários onde os futuros gestores não passam por qualquer tipo de capacitação ou seleção, assumindo o leme de embarcações sem quaisquer tipo de mapas ou guias para isso.  

Para empresários que desejam crescer e fazer seu negócio alavancar, confiança e familiaridade com o sucessor são importantes, mas prepará-lo para assumir o comando demanda também um trabalho junto a ele de desenvolver seu conhecimento em métodos, história e processos da empresa, assim como sua maturidade para tomadas de decisão, gestão de equipe e gerenciamento de crises. 

  • Conflitos familiares

Aprendemos a não levar desaforos para casa, mas e quando eles vêm de casa? Quando falamos da dinâmica dentro de empresas familiares, talvez essa seja a questão mais abordada pelas pessoas. 

Ao mesmo tempo que são constituídos por equipes fortalecidas em laços de lealdade e afeto, esses negócios também transitam em uma via que beira aos conflitos que fogem às relações profissionais, o que pode colocar em risco a sua saúde organizacional, além da seriedade e credibilidade no mercado.   

  • Visão de longo prazo vs interesses individuais

Se dentro de uma empresa existem diferentes perfis de pessoas, com diferentes habilidades e personalidades para agregar ao processo, a empresa torna-se um ente à parte, resultado da união de todo esse corpo de profissionais. 

Ela possui uma história, objetivos a serem alcançados e interesses próprios, pautados na produtividade que precisa alcançar e nos frutos que vai gerar para o coletivo. 

Processos seletivos e outras estratégias de gestão tem como um dos objetivos justamente alinhar os interesses individuais dos colaboradores e mesa diretora com os desta entidade construída em conjunto.

Quando essas estratégias não são claras e o senso de pertencimento em uma empresa familiar é pautado unicamente nas relações pré-estabelecidas, pode-se desencadear uma batalha de “muitos caciques e poucos índios”, onde os interesses individuais prevaleçam  sobre os coletivos. Este risco aumenta principalmente com a passagem entre gerações, já que a visão de mundo das pessoas à frente do negócio muda, assim como sua relação de prioridades. 

Imagine um cabo de guerra com várias pontas: cada um puxa para o seu lado. No fim, ninguém avança e a chance de o cabo arrebentar é grande. Isso prejudica a motivação e moral dos demais colaboradores, afeta a identidade da empresa e limita sua projeção a longo prazo. Puxar o cabo em várias direções faz com que ele não avance em nenhum sentido, diferente de quando todos se unem para puxá-lo em uma direção única. 

Diante de todos esses fatores, fica a grande questão: é possível garantir que uma empresa esteja preparada para sobreviver à mudança da geração atual para a próxima? 

Governança corporativa: minimizando riscos e potencializando laços

Como vimos, os números nos comprovam que muitas empresas familiares não sobrevivem a essa transição entre gerações e muitos são os fatores que podem ser a causa disso, entre eles estão os que foram citados anteriormente. 

Mas blindar-se dos riscos pode ser mais simples do que parece: um ponto-chave para o crescimento dessas empresas é a profissionalização da equipe e dos seus processos, o que inclui a regulamentação de como ela deve funcionar e qual planejamento deve seguir, acompanhando uma visão a curto, médio e longo prazo. 

Neste sentido, a governança corporativa é a abordagem indicada pela Lumit. Trata-se de um conjunto de práticas, normas e processos que regulam a forma de gestão e controle interno das empresas, determinando diretrizes de atuação das pessoas à frente dela e dos relacionamentos estabelecidos com stakeholders, de forma a garantir uma conduta mais transparente, profissional, ética e responsável

Uma governança eficaz mira diretamente na longevidade, neutralizando os desafios de sucessão com ferramentas que preparam o campo para um crescimento coerente e com uma visão bem estabelecida. 

Para as empresas familiares significa um método eficiente de “organizar a casa”, estabelecer regras de convivência e desenvolver um plano de ação bem pensado, de forma a traçar uma jornada estratégica rumo ao sucesso. Através desse método, otimizamos os riscos desenvolvendo lideranças preparadas e conscientes, com todos os meios disponíveis para gerenciar equipes inovadoras e produtivas. 

E para formar líderes que perpetuem uma governança corporativa com excelência, focamos em três frentes de ação:

  1. Desenvolvimento de habilidades de liderança: potenciais sucessores exercitam sua aptidão de liderança e acompanham insights de como conduzir as atividades de forma ponderada e direcionada. 
  2. Estratégias de Resolução de Conflitos: os participantes são incentivados e orientados em diferentes métodos ao desenvolvimento de estratégias eficazes para resolver conflitos familiares e empresariais. 
  3. Planejamento e Implementação de Estruturas de Governança: a formação inclui a aprendizagem de como planejar e implementar boas práticas de governança, contemplando estruturas que suportem uma transição de liderança suave. 

Tocar um negócio familiar não é tão simples como parece e podem aparecer muitas pedras no caminho, como vimos. Mas dar o primeiro passo na direção da melhoria é o principal. A longevidade e uma boa sucessão são consequências do caminho oferecido pela governança corporativa.

Por isso, que tal avaliar hoje se esse não seria o caminho para sua empresa familiar decolar? Estude, analise e conheça meios eficazes de preparar sua sucessão e garantir mais longevidade ao negócio.

Descubra como o Programa de Governança Corporativa em Empresas Familiares da FDC pode preparar sua empresa para uma transição de sucessão suave e bem-sucedida. Inscreva-se hoje.

PROGRAMA GOVERNANÇA CORPORATIVA EM EMPRESAS FAMILIARES

Prepare-se para impulsionar a profissionalização e competitividade do negócio familiar.

Jornada da Família Empresária

A Jornada da Família Empresária é uma das soluções que a Lumit oferece em parceria com a Fundação Dom Cabral

Veja também

Gestão de Crises: Preparando-se para o Inesperado no Ambiente de Negócios

Nem só de marés calmas se faz um marinheiro. Na verdade, são as águas turbulentas e a forma como lida com elas que definem o sucesso de sua jornada. E tratando de um mundo empresarial que nunca dorme, inserido no atual cenário no qual vivemos, de globalização e intenso desenvolvimento tecnológico, a mudança é uma constante do dia a dia corporativo, frequentemente aparecendo na forma de crises e gerando essas turbulências.

Leia mais »